Boquete – Dia dos namorados

Estava chegando o dia dos namorados combinei com meu namorado de passarmos o fim de semana em uma pousada na praia até porque nessas datas qualquer lugar é lotado, e a gente queria tirar um tempo só pra nós dois…
Saímos no sábado e chegamos na pousada a tarde, fica numa praia bem afastada, tipo praia deserta mesmo, sem quiosque e tal.
Deixamos as coisas no quarto, fomos dar um passeio pra comer alguma coisa e descansar da viagem, a noite ficamos na pousada, num bar que estava rolando música ao vivo pros hóspedes.
Ficamos lá bebendo, falando besteira, dando risada, até conversamos com outros casais que estavam lá curtindo, percebi que o meu namorado estava querendo me embebedar, porque toda hora pedia caipirinha, batida…
Foi ficando tarde a gente já estava meio bêbado e resolvemos ir pro quarto aproveitar a noite, mas…
O Raul é meio fraco pra bebida, então não durou muito (se é que me entendem) ele foi com tudo pra cima de mim nem esperou entrarmos direito, eu como estava muito animadinha com a bebida facilitei, estava sainha e uma calcinha branca, so me posicionei de na cama e empinei a bunda, Raul veio com tudo, sua pica estava apontando para o céu, ele so colocou minha calcinha de lado e meteu, mas meteu com vontade falando:
– Que buceta mais gostosinha amor, tem dias que estava querendo te fuder gostoso
– Eu tambem estava louca para te dar!
E Raul continuou a soca a pica em mim
– ta aqui seu presentinho, porra no útero
E gozou fartamente dentro da minha buceta que ficou pingando, eu apenas coloquei a calcinha de volta triste, por ter durado tão pouco, e depois que a gente transou ele desmaiou de bêbado na cama, já eu estava toda elétrica porque misturei bebida com energético e com a bucetinha recheada de porra então eu estava bem animadinha ainda, o Raul roncando na cama, eu sem sono nenhum resolvi dar uma volta na pousada, como era noite dos namorados não tinha praticamente ninguém fora dos quartos, e ainda dava pra ouvir perto de uma ou outra porta o barulho da galera transando, a mulherada gemendo, dava pra ouvir uns xingamentos, as camas balançando, até uns tapas consegui ouvir…
Esse clima de sexo no ar foi me deixando mais excitada ainda e resolvi ir pro barzinho dentro da pousada, chegando lá tinha um casal só ainda sentados bebendo e um garçom servindo, já estava bem tarde e sentei no balcão mesmo, o garçom era novinho, devia ter uns 18 anos, e perguntou o que eu queria, eu falei:
– ainda não decidi, tô em dúvida
Ele:
– Uma cerveja, caipirinha, batida…
Eu já estava bem alegrinha e brinquei:
– hummm uma batidinha eu gosto hein, e você gosta que batam uma pra você?
Ele ficou todo vermelho e sem graça na hora e falou:
– Então pode ser uma batida né
Ele fez a batida e fiquei lá sozinha bebendo, passando mil coisas na minha cabeça, várias ideias loucas e sem ninguém ali pra eu fazer alguma besteira…
Pensei comigo mesma, já que não tem ninguém, só casal nessa pousada, vou provocar esse garçom mesmo, ele era meio feinho, magro, um pouco mais alto que eu e tinha sotaque de nordestino, mas era a única opção que eu tinha…
Voltei a provocar ele:
– Psiu, fora essa batida gostosa o que mais você tem aí pra mim?
Ele começou a falar as bebidas e eu interrompi:
– Não, eu sou uma menina direita, a noite eu só bebo leite quente antes de dormir, você tem?
Ele se ligou que eu estava provocando e disse:
– Moça você vai me complicar no trabalho
Eu:
– Ué? Só tô pedindo pra me servir leite quente, o que tem de mais?
Ele deu um sorriso, mas logo o casal da mesa chamou e ele foi atender
Fiquei esperando e quando ele voltou falei:
– Fica só você no bar a noite?
Ele:
– Fica, quando os últimos hóspedes vão embora eu fecho
Fiquei puxando conversa com ele um tempão até que finalmente o casal resolveu ir pro quarto, falei:
– Nossa, achei que esse pessoal não ia deixar a gente sozinhos nunca
Ele:
– E você vai querer mais alguma coisa?
Eu falei:
– Quero sim, você!!!
Ele:
– É sério, eu sou novo no emprego menina, não posso perder não
Eu me pendurei no balcão e fui pertinho do ouvido dele e falei:
– Você fecha o bar e a gente acha um lugar escondido
Ele pensou por uns segundos e disse:
– Beleza, vai indo na direção das piscinas que atrás das máquinas tem um vestiário de funcionários, me espera atrás desse vestiário
Eu abri um sorriso e fui, estava bem escuro e silencioso porque a essa hora estavam todos dormindo e só tinha funcionários na recepção
Logo o garçom chegou e ali mesmo agarrei ele e começamos a nos beijar, falei:
– Vamos entrar no vestiário
Ele:
– Não, não dá, tem câmeras na entrada do vestiário
Eu falei:
– Vai menino, arruma um lugar que não tenha câmeras então
Ele:
– Eu não sei, aqui é tudo filmado, não conheço muito bem
Nessa hora fiquei brava e quando ia xingar ele apareceu um funcionário do nada
O cara falou:
– Senhora, o garçom está te incomodando?
A gente estava agarrando ainda quando ele chegou, o garoto me soltou desesperado e ficou mudo
Eu respondi:
– Não, pode ficar tranquilo não aconteceu nada
O cara:
– Pode voltar para o seu quarto então senhora vou conversar com o Cleiton (o nome do garçom)
Nisso acho que a minha bebedeira até passou na hora, vi que o garçom ia se ferrar por minha causa e resolvi tentar ajudar, falei:
– Moço, não aconteceu nada demais, estávamos só conversando aqui, não é culpa dele não
O cara:
– Fique tranquila senhora, pode deixar que eu resolvo, pode descansar no seu quarto
Olhei pro garçom e na cara dele dava pra perceber que ele seria mandado embora
Fiquei pensando no que fazer por uns segundos e falei:
– Moço você é o que aqui?
Ele falou que era supervisor cozinha ou de alguma coisa que na hora não entendi muito bem, eu o chamei de canto, e falei:
– Olha, a culpa não foi do garçom, eu que chamei ele pra cá, ele nem queria vir
O cara:
– Eu entendo, e não precisa se preocupar, eu como chefe dele resolvo a situação, fique tranquila
Eu falei:
– Você vai demitir ele não vai? Pode falar
O cara:
– Temos regras aqui, e não sou só eu quem decide, a segurança me mandou aqui porque viu uma movimentação estranha, eu vim checar e vou ter que relatar o que vi
Eu pensei por alguns segundos e falei:
– Vamos resolver entre nós dois e isso morre aqui
Ele falou:
– Moça eu…
Interrompi ele na hora e falei:
– Por um boquete essa história morre aqui?
Ele arregalou os olhos e falou:
– Como é que é moça?
Eu falei:
– é isso mesmo que ouviu, se eu te chupar esquecemos isso?
Ele:
– Olha acho que você não entendeu…
Eu:
– Quem não tá querendo entender é você, você vai ganhar uma mamada só pra não ferrar com o seu funcionário, entendeu? Onde vai ser?
Ele meio confuso falou pro garçom:
– Pode ir embora Cleiton, tá liberado, amanhã chega no mesmo horário
E me puxou pelo braço me levando pra uma salinha tipo de uma enfermaria
Entramos ele fechou a porta me olhou e falou:
– Então é sério mesmo né?
Eu:
– Claro que é, você faz sua parte e eu faço a minha
Pelo crachá vi que o nome dele era Luiz, era bem alto, um pouquinho acima do peso, branco e usava óculos, devia ter uns 35 anos
Sentei na maca que tinha na salinha e disse:
– Primeiro quero uma chupada, estou morrendo de tesão olha
E já fui levantando a saia e mostrando a bucetinha meladinha
Ele:
– Nossa que delicia ta toda babada
Se ajoelhou e caiu de boca na minha buceta toda gozada kkkkk
E eu aproveitei, rebolei igual uma vagabunda na boca dele que não me aguentei, gozei gostoso com ele chupando minha bucetinha com a porra do meu namorado
Ele disse:
– Agora e minha vez!
Ele sentou, como a maca era alta, a cintura dele já estava na altura do meu rosto, ele rapidamente já abriu o cinto, abaixou a calça junto com a cueca e vi o pau, não estava muito duro ainda, estava meio caído, me abaixei pouquinho, olhei pra cara dele e comecei a chupar olhando nos olhos dele, fui lambendo só a cabecinha, chupando devagar e logo endureceu o pau, continuei chupando lento e ele começou a alisar meu rosto e falou:
– Nossa princesinha você com esse rostinho me chupando tá demais
Larguei o pau e me abaixei pra lamber as bolas, passei a língua, chupei um ovo de cada vez, continuei olhando pra ele e ele gemendo falou:
– Que delícia, você é muito gata
Fiquei ali chupando o pau e as bolas dele pensando:
“Poxa, dia dos namorados, tive uma transa meia boca com o Raul, achei que ia dar umas pegas e chupar o garçom novinho, e no fim da noite estou aqui numa salinha de enfermaria escondida chupando o supervisor de sei lá o que pra garantir o emprego do moleque que eu nem conheço direito, pra acabar esse cara escroto fica com esses elogios broxas me chamando de princesa, gata, linda…”
E ele soltou mais uma:
– Você é perfeita menina, pra casar…
Quando falou isso eu não me aguentei, tirei as bolas dele da boca levantei e falei:
– Você quer um boquete ou me pedir em namoro?
Ele ficou me olhando e eu completei:
– Meu amorzinho, fode minha boca, goza gostoso que eu preciso voltar pro meu namorado logo
Me abaixei e comecei a chupar bem forte e rápido, o pau dele era comprido, mas não muito grosso e enquanto eu mamava ouvi:
– Então beleza, agora vou socar até a sua goela
Mal terminou de falar ele levantou da maca, me fazendo cair no chão, me apoiei com as mãos pra trás pra não cair deitada, ainda com a rola dentro da minha boca ele foi andando e me arrastando pelo chão, o filho da puta nem ligou e fui tentando sair, mas ele segurou minha cabeça até que finalmente me encostou na parede, nessa hora vi estrelas…
Senti uma socada violenta dentro da minha boca, fiquei sufocada tentando sair, dei uns tapas na perna dele pra ele parar, mas nada, só ouvi ele rindo e dizendo:
– Não falou pra eu foder sua boca, agora aguenta caralho
Ele era grandão e nessa hora percebi que estava nas mãos dele, não dava pra escapar, quando ele finalmente tirou a pica toda de dentro da minha garganta eu quase vomitei, mas aguentei firme, e toda babada e meia desnorteada ainda provoquei:
– Essa boquinha aguenta muita rola queridinho, soca sem dó e goza logo
Ele nem pensou duas vezes, com minha cabeça colada na parede senti as estocadas e a rola invadindo e saindo da minha garganta, a babá escorria pelo meu queixo, mas fiquei firme olhando pra cima pra cara dele e ouvindo:
– Aguenta vagabundinha, enquanto seu namorado deve tá dormindo você leva rola e já se prepara que vai levar porra nessa boquinha também não vai?
Eu o empurrei tirando o pau da boca, me abaixei rápido antes que ele socasse de novo e fui lambendo as bolas, entre as chupadas falei:
– Não, não vai gozar na minha boca não, nunca bebi gozo (mentirinha rsrsrs)
Ele:
– Ah, mas então hoje vai provar a minha, sou louco pra gozar dentro da boca
Eu pra provocar e dar uma de santa:
– Tá bom, pode gozar na minha boquinha, mas não vou engolir não
Voltei a chupar o saco dele enquanto ele punhetava o pau falou:
– Combinado, eu gozo e você segura na boca pra eu ver
Eu:
– Então goza agora, goza, enche minha boquinha de leite quentinho vai
Olhei pra ele com carinha de safada abri a boca e fiquei esperando
Ele punhetando a pica e gemendo ainda falou:
– Então toma leite de cacete vai toma
Comecei a sentir os jatos dentro da minha boca, fechei os lábios na cabeça da rola e senti pulsando e o esperma escorrendo na minha língua
Quando terminou ele gozou aliviado e falou:
– Abre a boquinha aí pra eu ver
Eu sentada no chão olhei pra cima e abri a boca encharcada de porra mostrei pra ele
Ele:
– Que delícia, pode cuspir no lixo que tem ali
Eu fechei a boca, fiz sinal de negativo com a cabeça e engoli de uma vez só, abri a boca e mostrei a língua limpinha pra ele
O cara ficou sem reação e falou:
– Caralho você engoliu tudo aquilo de porra?
Eu levantei fui saindo da sala e falei:
– estava gostosa sua porra
Sai rindo e mandei um beijinho pra ele ainda…

Esposa-novinha-boqueteira-em-fotos-peladas-11-2.jpg Casadinha-novinha-gostosa-boqueteira-6-0.jpg Esposa-novinha-boqueteira-em-fotos-peladas-8-1.jpg

De sua nota nesse conto
Post criado 8

Deixe um comentário

Posts Relacionados

Comece a digitar sua pesquisa acima e pressione Enter para pesquisar. Pressione ESC para cancelar.

De volta ao topo