Namorada do meu amigo veio morar na Republica – Parte 1

Essa história começa quando tive que ir morar em uma república com dois amigos em campinas pois estudaria na Unicamp no curso de engenharia da computação, vou tentar passar máximo de detalhes possíveis, sendo que essa história aconteceu as uns 3 ou 4 anos atras.

O ano era 2019 e eu estava já no segundo semestre, e por não morar no estado de São Paulo, tive que mudar para uma república, próximo a faculdade, nessa republica moravam comigo mais dois grandes amigos que fazia outros cursos, Gabriel tinha 19 anos era um pouco acima do peso e de altura mediana, e estava cursando engenharia de automação, o outro era o Eduardo com seus 22 anos esse já era mais em forma de olhos verdes e estatura mediana, estudava direito e eu também com 22 anos, branco dos olhos castanhos, magro o corpo em forma por causa da academia e bem mais alto que os demais.

A casa era bem simples tinha 2 quartos onde cada quarto tinha duas camas de solteiro e um quarto tinha uma cama de casal a mais. Deixávamos a cama de casal para que quando um de nós levasse companhia para casa poderia passar a noite mais tranquilo. Tinha também uma sala grande, com cozinha pequena, e no banheiro havia dois chuveiros, sem box e uma portinha simples sanfonada, porem era o que nós precisávamos.

A história começa quando a namorada do Gabriel Ana, 18 anos, branquinha, cabelos castanhos claros com 1,60m de altura, peitos médios, barriga chapadinha e bunda media empinada e redondinha, tinha acabado de formar no ensino médio e em busca de uma faculdade de odontologia para cursar, se inscreve em um monte de vestibulares na região de SP.

Como todos nós não tínhamos dinheiro para quase nada, Gabriel pediu a gente se poderíamos hospedar sua namorada por alguns dias, cerca de uma semana ou duas, até o fim das provas em São Paulo.

Eu e Eduardo resistimos bastante a esse pedido, porque além de ser uma pessoa a mais na casa, e por ser mulher perderíamos as liberdades de como andar de cueca e sem camisa. Mas como Gabriel insistiu muito, resolvemos conversar com ela primeiro.

Com o WhatsApp criamos um grupo e ele a colocou para gente conversar, conversamos bastante, e eu e o Eduardo em conjunto pensamos algumas regras para Ana, e que se ela aceitasse poderia vim passar esses dias com a gente sem problemas.

A primeira regra seria que não mudaríamos nossos hábitos, andaríamos de cueca mesmo, toalha, e que se isso gerasse ciúmes no Gabriel ou ela ficasse desconfortável, não daria certo ela morar com a gente.

Já a segunda regra, era que durante o tempo que ela ficasse com a gente ela organizaria a casa, faria almoço e a janta, como uma forma de pagamento, e como ela precisava muito acabou aceitando. Ela foi apresentada aos poucos e resolvemos comprar umas bebidas para quebrar o gelo, como ela não era acostumada a beber, foi ficando levinha com as conversas.

Depois de algumas conversas, Eduardo sugeriu de fazermos um jogo de verdade ou desafio para nos conhecermos um pouco mais, e todos acabaram aceitando. Afastamos os sofás e sentamos em roda na sala.

A primeira pergunta caiu para Ana e foi do próprio Eduardo pra ela:

– Qual a sensação de ser a única mulher em uma casa cheia de homens?

E ela respondeu:

– Ah, é bem diferente do que estou acostumada, mas não achei ruim, sou uma pessoa bem tranquila, nao sou fresca com nada e tenho um bom senso de humor, acho que vamos nos dar bem!

Rodaram mais algumas perguntas, e novamente caiu para ela e eu já perguntei:

– Estamos todos a vontade, isso não te deixa sem graça?

Ela respondeu:

– Sabe que não? até gostei kkkkk!

Todos riram e o jogo continuou…

e caiu mais uma pergunta de Eduardo para Ana

– E do que mais gostou?

Ana como era muito branquinha ficou com o rosto todo vermelho e nao quis responder.

Então Eduardo propôs, voce pode responder, ou ficar à vontade igual a gente, voce que escolhe.

Então ela respondeu:

– Ver vocês excitados me olhando, também me excita, é bem gostoso

Todos riram e o jogo continuou…

Até que saiu um desafio, Gabriel desafiou Eduardo, a tomar uma mordida na bunda! disse que ainda poderia escolher de quem, Eduardo esperto, escolheu Ana, que foi até perto dele e deu uma mordida de leve,

O jogo continuou, até que caí com a Ana e sem pensar duas vezes, perguntei:

-Qual a cor da sua calcinha?

E Ana respondeu:

– Amarela…

e eu disse:

– Tem que provar…

Ana usava um vestido amarelo um pouco acima do joelho, então ela levantou a lateral do vestido e mostrou, era uma calcinha de alcinha fininha, parecia ser de renda, mas não consegui ver muito bem.

E o jogo continuou, como já estava ficando tarde e todos tínhamos compromisso no dia seguinte, então acabamos decidindo fazer mais algumas rodadas, mas desta vez, iramos elevar o ritmo do jogo.

Então Eduardo sugeriu

– Cada um escreve uma pergunta e põe aqui nesse potinho aqui, dobrada, presta atenção, tem que ser uma pergunta que seja pra elevar o clima hein?

Nesse outro potinho cada um vai escrever uma ação, tipo beijar, dançar, fazer um strip… qualquer coisa, dobrem e coloquem nesse outro pote, eu sabendo da intenção do Eduardo já complementei:

– Depois cada um escreve um número de 0 a 3 e joga aqui no meio, e escrevam também uma peça de roupa e joguem aqui no meio. Peguei a garrafa de vodka e coloquei um copo para cada um e Eduardo disse:

-É o seguinte , o lado que a boca da garrafa parar, terá que escolher uma pergunta, se quiser responder, responde! se nao quiser, vai ter que tirar um papel do primeiro pote, e ver a ação do desafio e em segundo, pega uma papel do outro pote que o Lucas(eu) sugeriu, os números de 0 a 3 significa o número de peças que a pessoa vai ter de tirar, e se tirar o nome de uma peça de roupa, e essa que tem de tirar. Que comecem os jogos!

e eu já dei outra a ideia:

– E o lado que cair o fundo da garrafa, bebe um dedo de vodka pura.

Eu já olho para o Eduardo e vejo o sorrisinho na cara dele, e já penso que o jogo ficou muito melhor agora, e foi personalizado para expor a única mulher na casa, a Ana, e Gabriel seu namorado parecia ter ficado com ciúmes, mas não cortou nossas ideias, então o jogo seguiu dessa maneira.

Primeira rodada.

A boca da garrafa caiu para Gabriel e o fundo para Ana, ela nem pensou, colocou um dedo, e engoliu rápido fazendo careta, Gabriel tirou o papel da pergunta e leu em voz alta:

– Alguém dessa casa te dá tesão?

Gabriel riu e respondeu:

– Ana minha namorada né

Todos riram e o jogo seguiu…

Segunda rodada

A boca da garrafa caiu para Ana e o fundo para mim, tomei um corte, que desceu queimando, e Ana tirou a pergunta e ficou com o rosto todo vermelho e leu em voz alta:

-Quem você acha que tem o maior pau?

Ana então se explicou

-Gente, não tenho como saber disso, só vi vocês de roupa, não tem como! vou chutar qualquer um…

Eduardo interviu:

– Nao, nao, a pergunta foi mal feita, mas isso não pode ficar assim, Meninos, todos de cueca! e todos ficamos de cueca.

Ana olhou… olhou… e mordeu os lábios, denunciando a excitação de ver aquela cena, e logo respondeu:

-Acho que é o Lucas

Terceira rodada

A boca caiu para Eduardo e o fundo pra mim. Tomei de uma vez sem nem medir direito. Eduardo leu a pergunta e não quis responder.

qual seu fetiche?

tirou um papel da segunda caixa, e saiu dançar funk, e em seguida sacou um papel dos números saindo o 2, então ele tirou a única peça de roupa que usava e dançou nu. sobre risos e música de “vai lacraia”.

Quarta rodada

A boca caiu pra Ana, e o fundo para o Eduardo, que bebeu sem fazer cara feia, Ana então leu a pergunta:

-Qual a sua posição favorita?

Ana respondeu:

– De quatro.

Todos nós assobiamos e o jogo seguiu

Quinta pergunta

A garrafa deu um giro completo e parou novamente em Ana e Eduardo, Eduardo bebeu em um gole só, mas dessa vez fez careta, Ana pegou a pergunta e leu em voz alta:

-Quando mede o seu pau?

e respondeu:

– 0 cm

Eduardo interviu e disse, não, não! já que ela não tem pau, vai ter que responder o tamanho do pau de alguém, e não pode ser do Gabriel namoradinho dela, vai ser de quem a garrafa parar

A garrafa girou e caiu em mim

Ana veio até mim, puxou minha cueca, e mediu com o palmo na lateral do meu pau, que essa hora apontava pro teto, e respondeu:

– Uns dois palmos, mais ou menos uns 17cm.

todos comemoraram e o jogo seguiu

Sexta pergunta

A boca da garrafa caiu no Gabriel, e o fundo para Ana, Ana bebeu e ficou atenta a pergunta do seu namorado, Gabriel leu em voz alta e não quis responder:

– Se voce tivesse que emprestar sua namorada para alguém desta sala, quem gostaria que fosse?

Então Gabriel tirou um papel do primeiro pote e a ação era beijar, e o papel era o de número 2, logo teve que ficar pelado e nem pensou muito, beijou a Ana e voltou a sentar no seu lugar

Sétima pergunta

A boca caiu em Ana e o fundo para o Gabriel, que bebeu, sem fazer careta. Ana leu a pergunta e não quis responder:

-Quem dessa sala te dar mais tesão?

E ela não respondeu e por incrível que pareça não disse seu próprio namorado, não sei se era por vergonha da gente ou simplesmente queria elevar o nível do jogo, e é capaz que nunca saibamos a resposta.

Então tirou o primeiro papelzinho que veio, rebolar no colo, e no outro papel veio o número um, Ana então disse:

-Gente que posição vocês me colocaram… eu estou de vestido e calcinha apenas, ou vou tirar o vestido e ficar com os peitos de fora, ou vou tirar a calcinha e rebola nua no colo de alguém

Virou para o Gabriel e perguntou:

– O que voce acha Amor?

E Gabriel Respondeu

– Com voce somos 4 no total apenas eu e o Eduardo estamos pelados, sua chance de cair com um pelado, é cerca de 33% e um está de cueca, agora se tirar o vestido, é 100% de chance de mostrar os peitos.

Ana então seguiu a recomendação do namorado e tirou a calcinha amarela que era de renda e bem transparente, deu pra ver que quando ela tirou estava bem molhada na telinha da frente.

Em seguida a garrafa virou… e caiu em mim… único de cueca na sala, minha cueca era branca box e estava um poupo folgada de lado, A música escolhida foi o creu.

Ana veio, e sentou no meu colo, com o vestido cobriu toda sua cintura e começou a música, durante as fases mais lentas senti aquela bucetinha molhando minha cueca e em um movimento discreto quando ela levantou um pouquinho tirei o pau pra fora ao lado da cueca, como seu vestido tampava todo meu colo ninguém percebeu, mas Ana assim quando encostou a bucetinha novamente sentiu meu pau e deu um gemidinho:

– ARRRHG…

Nisso seu namorado perguntou:

– O que foi amor

E ela disse assim:

– Naaaada

Em seguida, já na fase 3 do creu a rebolada da Ana já estava passando a cabeça do pau na entradinha da sua buceta, como estava sentado com as mãos apoiadas para trás, levantei um pouquinho o quadril pra cima fazendo com que meu pau entrasse so cabecinha na bucetinha da Ana que se levantou assustada e depois voltou a sentar e com a voz manhosa vira pra mim e diz:

-Cuidadoo com isso, vai me machucar…

e eu apenas respondi em seu ouvido:

– Calma meu bem, ninguém ta vendo e so entrou a cabecinha.

Na velocidade 5 do creu, Ana já estava rebolando com força, com metade do meu pau dentro da bucetinha dela sem o namorado dela perceber de nada

e mais uma falei mais uma vez em seu ouvido:

– Senta nele todo, essa buceta melada desse jeito vai escorregar todinho pra dentro.

antes que ela respondesse algo a música acaba e ela sai do meu colo, deixando meu pau bem melado, certeza que o namorado dela viu

Continua…

Foto da Ana

ph1cto184233.jpg

De sua nota nesse conto
Post criado 3

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts Relacionados

Comece a digitar sua pesquisa acima e pressione Enter para pesquisar. Pressione ESC para cancelar.

De volta ao topo